Primeira Turma reafirma que não há litisconsórcio necessário nos casos de responsabilidade solidária

Primeira Turma reafirma que não há litisconsórcio necessário nos casos de responsabilidade solidária

A Primeira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) deu parcial provimento a recurso especial para afastar a formação de litisconsórcio passivo necessário em ação de cobrança, cumulada com ressarcimento e declaratória de direitos, ajuizada por empresa pública em desfavor de algumas contratadas.

Em razão do descumprimento de prazos na execução do contrato e da previsão da responsabilidade solidária entre as contratadas, a empresa pública ajuizou ação ordinária de cobrança, cumulada com ressarcimento e declaratória de direitos, em desfavor de apenas duas empresas contratadas.

No entanto, o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) reconheceu a existência de litisconsórcio passivo necessário entre todas as empresas contratadas (no que se refere à pretensão de cunho declaratório) e deferiu o chamamento ao processo de outra empresa no tocante ao pedido relacionado ao fornecimento de um produto.

No recurso apresentado ao STJ, a empresa pública defendeu a inexistência de litisconsórcio passivo necessário, alegando haver responsabilidade solidária entre todas as empresas consorciadas. Afirmou ainda a impossibilidade de chamamento ao processo da outra empresa nos termos do artigo 77, III, do Código de Processo Civil, explicando haver convenção de arbitragem entre as consorciadas, e acrescentou que a formação de litisconsórcio passivo implicaria o ingresso no feito de mais dez réus, entre eles pessoas jurídicas paraguaias, o que acarretaria enorme tumulto processual e atravancaria o processo.

Responsabilidade so?lidária

O relator, ministro Benedito Gonçalves, explicou que a jurisprudência do STJ possui entendimento de que não há litisconsórcio necessário nos casos de responsabilidade solidária.

"O acórdão de origem encontra-se em divergência do entendimento firmado no âmbito desta corte, segundo o qual não há litisconsórcio necessário nos casos de responsabilidade solidária, sendo facultado ao credor optar pelo ajuizamento da ação contra um, alguns ou todos os responsáveis", afirmou.

Benedito Gonçalves explicou que a responsabilidade solidária prevista em contrato afasta o litisconsórcio passivo necessário, qualquer que seja a natureza do pedido correlato ao contrato, tendo o credor, portanto, o direito de escolher quais coobrigados serão incluídos no polo passivo, ainda que o pleito seja declaratório.

"É de se concluir pela desnecessidade de formação de litisconsórcio passivo necessário com as demais empresas contratadas, as quais a credora optou por não incluir como rés na demanda", destacou.

Ao dar parcial provimento ao recurso, o relator acrescentou que, em relação à alegação da empresa pública de impossibilidade de chamamento ao processo de apenas uma outra empresa, a insurgência não deve ser acolhida, pois não é preciso que o réu demandado chame ao processo todos os demais devedores.

Esta notícia refere-se ao(s) processo(s):

REsp 1625833

Fonte: Superior Tribunal de Justiça

FONTE: http://www.lex.com.br/noticia_27856705_PRIMEIRA_TURMA_REAFIRMA_QUE_NAO_HA_LITISCONSORCIO_NECESSARIO_NOS_CASOS_DE_RESPONSABILIDADE_SOLIDARIA.aspx

Outras notícias

NOTÍCIAS 05 à 15 de setembro
sexta-feira 13 setembro / 2019 Decisões interlocutórias em liquidação, cumprimento, execução e inventário são recorríveis por agravo de instrumento Do incidente de desconsideração da personalidade juridica no novel CPC Decisão do CNJ destaca que Lei 13.726/2018 não se aplica aos serviços notariais e registrais
quinta-feira 12 setembro / 2019 Mantida decisão que isentou banco de indenizar por inscrição negativa de dívida cuja mora foi afastada pela Justiça IRTDPJ/BR - Últimos dias para se inscrever no I Encontro Regional de RTDPJ Cartórios já apostilaram mais de 3,5 milhões de documentos desde 2016
quarta-feira 11 setembro / 2019 CNJ aprova nova norma sobre viagens nacionais de crianças desacompanhadas CNJ: Aprovado relatório de inspeção feita pela Corregedoria Nacional no TJMGx
terça-feira 10 setembro / 2019 Execução de taxas condominiais: possibilidade de inclusão de taxas condominiais vincendas no procedimento de execução de título extrajudicial. TJ/MG: Notários e registradores mineiros homenageiam magistrado Impactos do Provimento 74 nas serventias extrajudiciais finaliza plenárias do 1º dia do XXVIII Congresso Estadual dos Notários e Registradores de MG
sexta-feira 06 setembro / 2019 Culpa exclusiva da vítima em acidente afasta responsabilidade de indenização CNJ: 14º Semana Nacional de Conciliação: CNJ disponibiliza peças de divulgação Recivil-MG: Jurisprudência mineira - Reexame necessário - Pensão por morte - União estável e dependência econômica comprovadas - Juros e correção monetária

 

Rua Guajajaras, 197 - térreo - Centro - CEP 30180-103 - Tel. (31) 3224-1788 - Fax (31) 3226-4387 © 2019 - Registro de Títulos e Documentos. Cartório do 2º Ofício