Publicado em 16/10/2018

Momento para se aferir o cumprimento dos requisitos para recebimento do auxílio-reclusão é o da prisão

O Supremo Tribunal Federal (STF) já assentou o entendimento de que a remuneração a ser levada em consideração para fins de concessão do auxílio-reclusão é a do preso, e não a de seus dependentes. Dessa forma, a Câmara Regional Previdenciária da Bahia concedeu ao autor, ora recorrente, auxílio-reclusão a partir do requerimento administrativo formulado em 21/07/2011. O benefício deverá ser pago até que o segurado seja posto em liberdade.

Em primeira instância, o autor não teve reconhecido o direito ao auxílio-reclusão diante de sua remuneração antes do encarceramento. Decisão equivocada no entendimento do relator, juiz federal convocado Cristiano Miranda de Santana. "Equivoca-se a sentença ao indeferir o benefício sob o argumento de que, em meses anteriores ao encarceramento, o segurado tinha salário de contribuição acima do teto admitido para o pagamento do auxílio, já que o momento para se aferir o cumprimento dos requisitos é o da prisão, pois este é o fato gerador do benefício e, em tal momento, o segurado não possuía qualquer renda, já que se encontrava desempregado", explicou.

O relator sustentou que à época do recolhimento do beneficiário à prisão, ele se encontrava no chamado "período de graça", previsto no art. 15, II, da Lei nº 8.2132/91, segundo o qual detém a qualidade de segurado, independentemente das contribuições, até 12 meses após a cessação das contribuições, o segurado que deixar de exercer atividade remunerada abrangida pela Previdência Social. No caso, o último vinculo perdurou o mês de novembro de 2010, data superior à da prisão, ocorrida 26/10/2010.

O magistrado pontuou que, nos termos do artigo 116, § 1º, do Decreto 3.048/99, é devido auxílio-reclusão aos dependentes do segurado quando não houver salário de contribuição na data do seu efetivo recolhimento à prisão, desde que mantida a qualidade de segurado. "A dependência econômica é inequívoca, já que o benefício é postulado pela esposa - com vínculo matrimonial hígido ao tempo da reclusão", concluiu.


Saiba mais
Publicado em 16/10/2018

Dívidas de condomínio vincendas devem ser incluídas no curso do processo até o pagamento

Por unanimidade de votos, a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) reformou decisão do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ) que, em ação de cobrança de cotas condominiais, manteve condenação de devedor ao pagamento das despesas vencidas e a vencer até o trânsito em julgado do processo.

Saiba mais
Publicado em 16/10/2018

TJ/SP afasta impenhorabilidade de valor de certificado de depósito bancário prevista no CPC/15

A 13ª câmara de Direito Privado do TJ/SP deu provimento a recurso de cooperativa de crédito e afastou a impenhorabilidade de valor de certificado de depósito bancário – CDB prevista em dispositivo do CPC/15.

Saiba mais
Publicado em 15/10/2018

Verba honorária pode ser habilitada junto com crédito trabalhista na recuperação

A Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) confirmou acórdão que entendeu ser possível, na recuperação judicial, habilitar crédito oriundo de honorários advocatícios sucumbenciais em conjunto com o crédito trabalhista reconhecido judicialmente, sem a necessidade de habilitação autônoma pelo advogado, tendo em vista a legitimidade concorrente da parte.

O crédito discutido no processo é decorrente de honorários sucumbenciais fixados na sentença em reclamação trabalhista em favor do advogado do ex-empregado reclamante. O Tribunal de Justiça de São Paulo manteve a decisão de primeiro grau que deferiu a habilitação e reafirmou que a legitimidade entre a parte e seus advogados é concorrente.

No recurso apresentado ao STJ, as recorrentes alegaram que a legitimidade para requerer a habilitação em recuperação judicial de crédito referente à verba honorária sucumbencial seria exclusiva do advogado.


Saiba mais
07 à 17 de outubro
terça-feira 16 outubro / 2018 TJ/SP afasta impenhorabilidade de valor de certificado de depósito bancário prevista no CPC/15 Dívidas de condomínio vincendas devem ser incluídas no curso do processo até o pagamento Momento para se aferir o cumprimento dos requisitos para recebimento do auxílio-reclusão é o da prisão
segunda-feira 15 outubro / 2018 Despesas de condomínio em atraso tem preferência sobre o crédito hipotecário Citação da sociedade não é necessária nas ações de cobrança em que todos os sócios integram a lide Primeira Seção veda retenção de honorários em verba do Fundeb liberada judicialmente Verba honorária pode ser habilitada junto com crédito trabalhista na recuperação
quinta-feira 11 outubro / 2018 Impenhorabilidade de bem de família deve prevalecer para imóvel em alienação fiduciária Cabe ao comprador de imóvel leiloado pela CEF providenciar a desocupação de antigo morado
quarta-feira 10 outubro / 2018 Honorários advocatícios devem ser pagos por quem houver dado causa à demanda Presidente do STJ destaca que democracia foi preservada no combate à corrupção
terça-feira 09 outubro / 2018 STF REAFIRMA JURISPRUDÊNCIA SOBRE CRITÉRIOS PARA CRIAÇÃO DE CARGOS EM COMISSÃO Empresas consorciadas de transporte coletivo respondem solidariamente por acidente que envolveu uma delas TV por assinatura não pode cobrar taxa de cliente por alugar decodificador extra Idosa tem direito a plano após morte de titular
segunda-feira 08 outubro / 2018 Terceira Turma fixa tese sobre abuso do cancelamento do bilhete de volta por não comparecimento no voo de ida 9ª Turma: Fim da contribuição sindical obrigatória atende princípio constitucional e moderniza legislação trabalhista.
Parceiros

 

Rua Guajajaras, 197 - térreo - Centro - CEP 30180-103 - Tel. (31) 3224-1788 - Fax (31) 3226-4387 © 2018 - Registro de Títulos e Documentos. Cartório do 2º Ofício