GOV - Cartórios passam a ter obrigação de declarar operações imobiliárias que envolvam terrenos da União

GOV - Cartórios passam a ter obrigação de declarar operações imobiliárias que envolvam terrenos da União

Medida entrou em vigor no dia 2 de janeiro; oficiais que não enviarem as operações ou apresentarem a declaração após o prazo fixado ficam sujeitos a multa

Desde o dia 2 de janeiro, os cartórios estão obrigados a enviar ao Ministério da Economia a Declaração sobre Operações Imobiliárias em Terrenos da União (Doitu). A medida, que consta da Portaria nº 24.218/20, foi publicada no último dia 22 no Diário Oficial da União pela Secretaria de Coordenação e Governança do Patrimônio da União (SPU).

Trata-se da primeira vez que haverá o compartilhamento de informações referentes a transações imobiliárias entre os cartórios e a SPU. O objetivo é manter o cadastro da Secretaria coerente com as transações imobiliárias reais, assegurando a legitimidade da propriedade, além de desonerar o cidadão. Até então, a obrigação do fornecimento das informações era dos ocupantes dos imóveis, sob pena de multa.

O envio da Doitu será obrigatório para os oficiais de cartório de notas, de registro de imóveis ou de títulos e documentos que promoverem operações imobiliárias anotadas, averbadas, lavradas, matriculadas ou registradas que envolvam terrenos da União. As informações obrigatórias – todas descritas na portaria – deverão constar na declaração e devem estar estruturadas em uma planilha de dados, conforme modelo disponibilizado no portal de serviços da SPU.

De acordo com o secretário da SPU, Mauro Filho, a Doitu poderá ser apresentada por meio de arquivo enviado para o portal de serviços da SPU. “Estamos aperfeiçoando a integração das bases de dados da SPU e, gradativamente, novos protocolos de comunicação serão integrados. Em breve, será disponibilizada uma área específica no portal para recepcionar as declarações enviadas pelos cartórios”, afirma Mauro Filho.

As declarações deverão ser enviadas até o último dia útil do mês subsequente à data de lançamento do ato registral. Os oficiais que não enviarem as operações imobiliárias por meio da Doitu ou apresentarem a declaração após o prazo fixado ficam sujeitos à multa de 0,1% ao mês sobre o valor da operação, limitada a 1%. Já o responsável que apresentar a Doitu com incorreções ou omissões será intimado a retificar as informações e estará sujeito à multa de R$ 50 por informação inexata, incompleta ou omitida. Caso a retificadora seja apresentada no prazo, a multa será reduzida em 50%.

Se houver inconsistências ou dúvidas, a SPU poderá solicitar informações complementares ao tabelião ou registrador. “Este é o início da comunicação eletrônica em nível nacional entre cartórios e a SPU. É, sem dúvida, um marco, que ainda terá sucessivas evoluções tecnológicas entre a secretaria e as entidades representantes dos cartórios no Brasil”, finalizou o secretário.  

Fonte: Governo Federal

FONTE: http://www.serjus.com.br/noticias_ver.php?id=12979

Outras notícias

NOTÍCIAS 16 à 26 de janeiro
segunda-feira 25 janeiro / 2021 Recivil - Ato Normativo nº 002/2021 dispõe sobre o recolhimento em atraso dos valores devidos à Comissão Gestora e revoga o Ato Normativo 005/2020 Ofício do 5º Registro de Imóveis de Belo Horizonte: suspensão de expediente ITI - Comitê Gestor da ICP-Brasil aprova emissão primária de certificado digital por videoconferência
sexta-feira 22 janeiro / 2021 4ª Câmara Cível não reconhece união estável post mortem Arbitragem tem prioridade para analisar contrato com cláusula compromissória, reafirma Segunda Turma Câmara dos Deputados - Projeto prevê fundo garantidor em favor de fiador de imóvel
quarta-feira 20 janeiro / 2021 Falecimento do devedor antes da citação na execução fiscal impede a regularização do polo passivo da demanda Admitida cobrança de ISSQN sobre serviços no estrangeiro TJMG - EJEF comunica que fica retificado o Edital que rege o certame do Concurso Extrajudicial nº 01/2017
terça-feira 19 janeiro / 2021 STJ - Contrato de aluguel é válido mesmo que apenas um dos coproprietários tenha locado o imóvel Câmara dos Deputados - Proposta obriga realização de sessão extrajudicial para resolução de conflitos menos complexos Comprador de imóvel tem direito a ressarcimento por quebra de contrato TRF3 Considera impenhorável aplicação de até 40 salários mínimos em fundo de investimento
segunda-feira 18 janeiro / 2021 TJMG - EJEF publica o resultado dos recursos contra a pontuação dos títulos do Concurso Extrajudicial n. 1/2017 TJ/MG divulga Formulários de Correição Ordinária com vigência em 2021 para os serviços extrajudiciais

 

Rua Guajajaras, 197 - Centro - CEP 30180-103 - Tel. (31) 3224-1788 - Fax (31) 3226-4387 - (31) 97122-1486 © 2021 - Registro de Títulos e Documentos. Cartório do 2º Ofício