Senado: Projeto dá mais autonomia para curadores que administram bens de incapazes

Senado: Projeto dá mais autonomia para curadores que administram bens de incapazes

Um projeto de lei que tramita na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) garante aos curadores mais autonomia para administrar os bens móveis e imóveis de pessoas em situação de curatela. O Projeto de Lei 5.454/2019, do senador Rogério Carvalho (PT-SE), altera o Código Civil (Lei nº 10.406 de 2002) para desburocratizar o regime de administração de bens do curatelado, transferindo mais responsabilidades para o curador, mas prevendo controle judicial da gestão do patrimônio.

A curatela é uma medida para proteger maiores de idade que não têm capacidade para gerir os próprios interesses, seja por conta de alguma doença mental ou outra razão prevista em lei. Pelo regime atual, é necessário que o curador deposite em conta judicial os recursos financeiros da pessoa em situação de curatela, um processo burocrático que envolve pedidos de alvarás e contratação de advogados. O objetivo do projeto é diminuir a interferência do poder público nessas ações. Segundo Rogério Carvalho, o Estado deve atuar apenas como supervisor da administração dos bens através da Declaração de Imposto de Renda.

“O presente projeto de lei visa criar um regime próprio de administração dos bens das pessoa em curatela, pelo fato de a atual forma de sua administração não condizer com a realidade da sociedade dos dias hoje, ao conferir ao Estado a prerrogativa de administração do patrimônio de pessoas, as quais, muitas vezes, passarão toda a sua vida sob curatela”, explica o senador na justificativa do texto.

Além disso, o autor ressalta que o Estado atua de forma paternalista ao sugerir que o curador não possui a competência para administrar o patrimônio do curatelado enquanto, muitas vezes, não atende às necessidades das pessoas com deficiência. “Importante frisar que as mudanças havidas na sociedade em relação à inclusão dessas pessoas se devem fundamentalmente às lutas empreendidas por seus familiares. É constrangedor que essas mesmas pessoas sejam julgadas impedidas de administrar os bens de seus filhos, com o Estado a se sobrepor à família”, ressalta o autor. O projeto aguarda designação de relator na CCJ. Se aprovado, será encaminhado à Câmara.

Fonte: Agência Senado

FONTE:  http://www.serjus.com.br/noticias_ver.php?id=10213 



Outras notícias

NOTÍCIAS 17 à 27 de maio
quarta-feira 27 maio / 2020 Não cabe ao Poder Judiciário prorrogar vencimento de tributos em razão de estado de calamidade pública CNJ - Corregedoria edita provimento com regras sobre atos notariais eletrônicos Terceira Turma reconhece natureza relativa da competência por prevenção em grau recursal Espólio não pode ser responsabilizado por saque indevido de remuneração paga a servidor morto
terça-feira 26 maio / 2020 Nova titular de cartório não é responsável por parcelas devidas a ex-empregado Clipping – Migalhas - Consumidora consegue suspender parcelas de apartamento com obras paralisadas Clipping – Valor - Cartórios passam a registrar imóveis de forma eletrônica Clipping – O Globo - Novas regras para falências podem evitar enxurrada de ações na Justiça, dizem especialistas Artigo – Migalhas - Não incidência de IPTU sobre imóveis usados para fins comerciais quando fechados em razão da covid-19 – Por Iure Pontes Vieira
segunda-feira 25 maio / 2020 Justiça indefere pedido para retirada de família de imóvel no intuito de garantir isolamento a moradores Ministro Luís Roberto Barroso assume Presidência do TSE nesta segunda-feira (25) Sem referência expressa na sentença, dobra acionária é excluída da liquidação em respeito à coisa julgada Lei estadual dispõe sobre a isenção do ITCD em razão do estado de calamidade pública decorrente da pandemia de Covid-19 Clipping – Estado de Minas – Cartórios de MG já registraram mais de 4 mil atos de transferência de bens durante pandemia
sexta-feira 22 maio / 2020 Clipping - Tudo Celular - Tendência? Cartório brasileiro cria app para reconhecimento de firma digital STJ - Juiz deverá aplicar medidas coercitivas a familiares que se recusam a fazer DNA, sejam ou não parte na investigação de paternidade Clipping – Conjur - Cláusula de impenhorabilidade de doador de imóvel não se aplica à execução trabalhista Câmara - Câmara aprova regras diferenciadas para recuperação judicial de empresas durante pandemia Taxa de condomínio é responsabilidade da construtora até entrega das chaves Portaria nº 79 do CNJ prorroga medidas de prevenção à Covid-19 até o dia 14 de junho
quinta-feira 21 maio / 2020 Plenário homologa acordo entre União e estados sobre compensações da Lei Kandir TRT-RN decide que direito a adicional de transferência está vinculado a deslocamentos provisórios No conflito entre execução civil e fiscal, Fazenda tem preferência mesmo com manifestação tardia TJ/MG – CGJ avisa sobre a necessidade da adoção de medidas para a prevenção da disseminação do Coronavírus, pelos serviços notariais e de registro de Minas Gerais
quarta-feira 20 maio / 2020 Prorrogado prazo de validade das Certidões - Negativas e Positivas com Efeitos de Negativas - de Débitos relativos a Créditos Tributários Federais e à Dívida Ativa da União, em decorrência da pandemia. Recivil - Artigo - Suspensão do atendimento presencial até 31 de maio de 2020 - A pandemia e o funcionamento dos cartórios extrajudiciais em Minas Gerais - Por Letícia Franco Maculan Assumpção
terça-feira 19 maio / 2020 Terceira Turma considera ilegal indenização antecipada por rescisão unilateral de representação comercial TRT-RN mantém penhora de imóvel familiar ainda que não haja vínculo societário entre os cônjuges Presidente do STF restabelece efeitos da MP que reduziu contribuição a instituições do Sistema S STJ - Improbidade, sucessões, contrato de seguro e prisão preventiva são os temas da nova Pesquisa Pronta
segunda-feira 18 maio / 2020 TJ/MG - Portaria Conjunta nº 982 suspende o atendimento presencial nos cartórios de Minas Gerais no período de 28 de março a 31 de maio de 2020 TJ/MG – Portaria Conjunta n° 983 dispõe sobre medidas temporárias de prevenção ao contágio pelo Coronavírus no âmbito do Poder Judiciário de Minas Gerais Clipping – Poder 360 - Cartórios superam bancos em comunicações de ações suspeitas ao Coaf Clipping – Jornal Contábil - Lojistas de Shopping podem negociar o valor dos Aluguéis durante a Pandemia STJ - Responsabilidade da CEF em ações do Minha Casa, Minha Vida está na nova Pesquisa Pronta CNJ - Aprovado ato normativo que institui PJe das Corregedorias Cessionário de direito litigioso se sujeita a todos os efeitos da cessão, mesmo que represente obrigações

 

Rua Guajajaras, 197 - Centro - CEP 30180-103 - Tel. (31) 3224-1788 - Fax (31) 3226-4387 - (31) 97122-1486 © 2020 - Registro de Títulos e Documentos. Cartório do 2º Ofício