Decisões interlocutórias em liquidação, cumprimento, execução e inventário são recorríveis por agravo de instrumento

Decisões interlocutórias em liquidação, cumprimento, execução e inventário são recorríveis por agravo de instrumento

Todas as decisões interlocutórias proferidas na liquidação e no cumprimento de sentença, no processo executivo e na ação de inventário são recorríveis imediatamente por meio de agravo de instrumento, já que o regime previsto nos incisos do artigo 1.015 do Código de Processo Civil de 2015 (CPC/2015) é específico para a fase de conhecimento.

O entendimento foi firmado pela Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ) ao dar provimento a um recurso contra acórdão do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP). Em uma ação de execução de contrato de aluguel, o TJSP indeferiu o pedido de revogação da gratuidade de justiça que havia sido concedida a uma das partes.

Posteriormente, o tribunal estadual não conheceu de um agravo de instrumento contra a decisão por entender que o meio recursal era impróprio, já que a hipótese (indeferimento de pedido de revogação da gratuidade) não consta no rol do artigo 1.015 do CPC. O inciso V desse artigo diz que o agravo é cabível contra "rejeição do pedido de gratuidade da justiça ou acolhimento do pedido de sua revogação".

Com a decisão da Corte Especial, o TJSP deverá examinar o mérito do agravo de instrumento. A relatora do caso na Corte Especial, ministra Nancy Andrighi, destacou que a questão é "extremamente relevante, na medida em que se trata de matéria que afeta, direta e diariamente, milhões de processos judiciais em curso em todo o território nacional, exigindo tratamento igualitário às partes que se encontram nas mesmas situações jurídicas".

A ministra explicou que a controvérsia em questão é diferente da analisada pela Corte no julgamento do Tema 988 dos repetitivos, já que naquela ocasião a discussão era restrita ao cabimento de recursos na fase de conhecimento.

Segundo ela, somente as decisões interlocutórias proferidas na fase de conhecimento se submetem ao regime recursal disciplinado no caput e nos incisos do artigo 1.015 do CPC/2015.

Opção legisla??tiva

Ela destacou que, nas fases de liquidação e cumprimento de sentença, e também no processo de execução (hipótese discutida no caso) e na ação de inventário, o legislador optou conscientemente por um regime recursal distinto, segundo o qual haverá ampla e irrestrita recorribilidade de todas as decisões interlocutórias - seja porque a maioria dessas fases ou processos não termina com sentença e, portanto, não haverá apelação, seja porque as decisões interlocutórias em tais casos costumam atingir de forma imediata e grave a esfera jurídica das partes.

"É nítido que o parágrafo único do artigo 1.015 do CPC/2015 excepciona a regra geral prevista no caput e nos incisos do referido dispositivo, ditando um novo regime para as fases subsequentes à cognição propriamente dita (liquidação e cumprimento de sentença), ao processo executivo e, ainda, a uma espécie de ação de conhecimento de procedimento especial, o inventário", explicou a ministra.

Nancy Andrighi destacou que a doutrina é uníssona no sentido de admitir o agravo de instrumento em todas essas hipóteses.

O caso chegou à Corte Especial após afetação da Terceira Turma, tendo em vista divergência com decisões da Segunda Turma. A afetação seguiu as regras do artigo 16 do Regimento Interno do STJ, que prevê a afetação à Corte Especial em casos de divergência entre turmas de seções diferentes.

Esta notícia refere-se ao(s) processo(s):

REsp 1803925


Outras notícias

NOTÍCIAS 17 à 27 de maio
quarta-feira 27 maio / 2020 Não cabe ao Poder Judiciário prorrogar vencimento de tributos em razão de estado de calamidade pública CNJ - Corregedoria edita provimento com regras sobre atos notariais eletrônicos Terceira Turma reconhece natureza relativa da competência por prevenção em grau recursal Espólio não pode ser responsabilizado por saque indevido de remuneração paga a servidor morto
terça-feira 26 maio / 2020 Nova titular de cartório não é responsável por parcelas devidas a ex-empregado Clipping – Migalhas - Consumidora consegue suspender parcelas de apartamento com obras paralisadas Clipping – Valor - Cartórios passam a registrar imóveis de forma eletrônica Clipping – O Globo - Novas regras para falências podem evitar enxurrada de ações na Justiça, dizem especialistas Artigo – Migalhas - Não incidência de IPTU sobre imóveis usados para fins comerciais quando fechados em razão da covid-19 – Por Iure Pontes Vieira
segunda-feira 25 maio / 2020 Justiça indefere pedido para retirada de família de imóvel no intuito de garantir isolamento a moradores Ministro Luís Roberto Barroso assume Presidência do TSE nesta segunda-feira (25) Sem referência expressa na sentença, dobra acionária é excluída da liquidação em respeito à coisa julgada Lei estadual dispõe sobre a isenção do ITCD em razão do estado de calamidade pública decorrente da pandemia de Covid-19 Clipping – Estado de Minas – Cartórios de MG já registraram mais de 4 mil atos de transferência de bens durante pandemia
sexta-feira 22 maio / 2020 Clipping - Tudo Celular - Tendência? Cartório brasileiro cria app para reconhecimento de firma digital STJ - Juiz deverá aplicar medidas coercitivas a familiares que se recusam a fazer DNA, sejam ou não parte na investigação de paternidade Clipping – Conjur - Cláusula de impenhorabilidade de doador de imóvel não se aplica à execução trabalhista Câmara - Câmara aprova regras diferenciadas para recuperação judicial de empresas durante pandemia Taxa de condomínio é responsabilidade da construtora até entrega das chaves Portaria nº 79 do CNJ prorroga medidas de prevenção à Covid-19 até o dia 14 de junho
quinta-feira 21 maio / 2020 Plenário homologa acordo entre União e estados sobre compensações da Lei Kandir TRT-RN decide que direito a adicional de transferência está vinculado a deslocamentos provisórios No conflito entre execução civil e fiscal, Fazenda tem preferência mesmo com manifestação tardia TJ/MG – CGJ avisa sobre a necessidade da adoção de medidas para a prevenção da disseminação do Coronavírus, pelos serviços notariais e de registro de Minas Gerais
quarta-feira 20 maio / 2020 Prorrogado prazo de validade das Certidões - Negativas e Positivas com Efeitos de Negativas - de Débitos relativos a Créditos Tributários Federais e à Dívida Ativa da União, em decorrência da pandemia. Recivil - Artigo - Suspensão do atendimento presencial até 31 de maio de 2020 - A pandemia e o funcionamento dos cartórios extrajudiciais em Minas Gerais - Por Letícia Franco Maculan Assumpção
terça-feira 19 maio / 2020 Terceira Turma considera ilegal indenização antecipada por rescisão unilateral de representação comercial TRT-RN mantém penhora de imóvel familiar ainda que não haja vínculo societário entre os cônjuges Presidente do STF restabelece efeitos da MP que reduziu contribuição a instituições do Sistema S STJ - Improbidade, sucessões, contrato de seguro e prisão preventiva são os temas da nova Pesquisa Pronta
segunda-feira 18 maio / 2020 TJ/MG - Portaria Conjunta nº 982 suspende o atendimento presencial nos cartórios de Minas Gerais no período de 28 de março a 31 de maio de 2020 TJ/MG – Portaria Conjunta n° 983 dispõe sobre medidas temporárias de prevenção ao contágio pelo Coronavírus no âmbito do Poder Judiciário de Minas Gerais Clipping – Poder 360 - Cartórios superam bancos em comunicações de ações suspeitas ao Coaf Clipping – Jornal Contábil - Lojistas de Shopping podem negociar o valor dos Aluguéis durante a Pandemia STJ - Responsabilidade da CEF em ações do Minha Casa, Minha Vida está na nova Pesquisa Pronta CNJ - Aprovado ato normativo que institui PJe das Corregedorias Cessionário de direito litigioso se sujeita a todos os efeitos da cessão, mesmo que represente obrigações

 

Rua Guajajaras, 197 - Centro - CEP 30180-103 - Tel. (31) 3224-1788 - Fax (31) 3226-4387 - (31) 97122-1486 © 2020 - Registro de Títulos e Documentos. Cartório do 2º Ofício