Registro de instituição de condomínio - Novo posicionamento para cobrança de emolumentos

CORREGEDORIA-GERAL DE JUSTIÇA
GABINETE DO CORREGEDOR-GERAL DE JUSTIÇA

AVISO Nº 9/CGJ/2018

Avisa sobre o novo posicionamento da Corregedoria-Geral de Justiça do Estado de Minas Gerais, relativo à forma de cobrança de emolumentos no registro de instituição de condomínio, conforme decisão proferida nos autos do Mandado de Segurança Coletivo nº 1.0000.14.095276-3/000.

O CORREGEDOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS, no uso das atribuições que lhe conferem os incisos I e XIV do art. 32 do Regimento Interno do Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais, aprovado pela Resolução do Tribunal Pleno nº 3, de 26 de julho de 2012,

CONSIDERANDO que a Lei estadual nº 15.424, de 30 de dezembro de 2004, “dispõe sobre a fixação, a contagem, a cobrança e o pagamento de emolumentos relativos aos atos praticados pelos serviços notariais e de registro, o recolhimento da Taxa de Fiscalização Judiciária e a compensação dos atos sujeitos à gratuidade estabelecida em lei federal e dá outras providências”;

CONSIDERANDO os inúmeros precedentes da Corregedoria-Geral de Justiça do Estado de Minas Gerais - CGJ sobre a matéria, amparados pelo entendimento de que, na instituição de condomínio, o ato constitutivo de direito real recai sobre cada unidade individualizada e independente, e não possui conteúdo financeiro;

CONSIDERANDO os termos da decisão proferida pelo Órgão Especial do Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais - TJMG, nos autos do Mandado de Segurança Coletivo nº 1.0000.14.095276-3/000, que, em sentido contrário, determinou observância do conjunto das unidades autônomas e atribuiu conteúdo financeiro às escrituras públicas de instituição de condomínio;

CONSIDERANDO o que ficou consignado no processo do Sistema Eletrônico de Informações - SEI nº 0010090-40.2017.8.13.0000,

AVISA aos juízes de direito, aos servidores, aos notários e registradores do Estado de Minas Gerais e a quem mais possa interessar que, em conformidade com a decisão proferida nos autos do Mandado de Segurança Coletivo nº 1.0000.14.095276-3/000, na instituição de condomínio, o ato constitutivo de direito real dar-se-á sobre o conjunto das unidades autônomas, devendo ser considerada como ato com conteúdo financeiro, cuja cobrança observará como parâmetro o valor total do empreendimento, prevalecendo-se o maior entre aqueles previstos nos incisos I, II e III do § 3° do art.10 da Lei estadual nº 15.424, de 30 de dezembro de 2004, enquadrando-se:

I - no Tabelionato de Notas, na alínea 'b' do item 4 da Tabela 1 do Anexo da Lei estadual nº 15.424, de 2004;

I - no Ofício de Registro de Imóveis, na alínea 'e' do item 5 da Tabela 4 do Anexo da Lei estadual nº 15.424, de 2004.

Belo Horizonte, 15 de fevereiro de 2018.

(a) Desembargador ANDRÉ LEITE PRAÇA
Corregedor-Geral de Justiça

FONTE:https://dje.tjmg.jus.br/pesquisarDiarioJudiciario.do;jsessionid=CC43CC6FB6BBB79CECAC33881C85B58B? - DJE. 19.02.2018

Outras notícias

NOTÍCIAS 04 à 14 de dezembro
sexta-feira 14 dezembro / 2018 Prefeitura precisa comprovar aumento do valor venal do imóvel para subir IPTU Projeto sobre regras para taxas de protesto é alterado CNJ decide sobre reconhecimento de firma em documento estrangeiro para apostilamento
quinta-feira 13 dezembro / 2018 Município deve se basear em cartório para fornecer guia de recolhimento Terceira Turma mantém bloqueio de passaporte como meio coercitivo para pagamento de dívida CCJ aprova mudança de quórum em condomínio para reforma de fachada de imóvel
quarta-feira 12 dezembro / 2018 Estrangeiros que residem no Brasil devem continuar renovando documento de identidade Desnecessária apresentação de laudo médico oficial para o reconhecimento da isenção do imposto de renda Atraso em entrega de imóvel gera indenização para cliente
terça-feira 11 dezembro / 2018 Lei 12.514/2011 autoriza que entidades de classe fixem valor de anuidade por meio de resolução Paternidade socioafetiva não impede direito à herança de pai biológico TRT 15 – Agravante não consegue reverter penhora de imóvel adquirido apenas por meio de contrato particular
segunda-feira 10 dezembro / 2018 Comprador não é responsável por débito de ICMS gerado por vendedor que simulou enquadramento no Simples Contrato de permuta não se equipara ao de compra e venda na tributação, decide STJ Plano de saúde não tem competência para discordar de procedimento
sexta-feira 07 dezembro / 2018 Câmara aprova emendas e PL de distrato imobiliário vai para sanção presidencial Condenação genérica em ação coletiva deve prever reparação sem especificar danos sofridos pelas vítimas STJ - Determinada suspensão de CNH de sócios executados
quinta-feira 06 dezembro / 2018 Regra do CPC que fixa percentual mínimo de 10% para honorários em execução é impositiva Benefício de gratuidade da justiça pode ser requerida na própria petição recursal Senado - Averbação da cota de reserva ambiental na matrícula de imóvel pode deixar de ser obrigatória
quarta-feira 05 dezembro / 2018 Alienação: TJ não acata adimplemento substancial Ministro rejeita reclamação que discutia curso de processo no TST sobre ultratividade das normas coletivas Comissão aprova projeto que reformula Lei dos Cartórios e cria conselho nacional de notários

 

Rua Guajajaras, 197 - térreo - Centro - CEP 30180-103 - Tel. (31) 3224-1788 - Fax (31) 3226-4387 © 2018 - Registro de Títulos e Documentos. Cartório do 2º Ofício